Skip to content

Preconceito – Eleição de Centro Acadêmico em universidade de Porto Alegre gera onda “antigay”

09/12/2010

Matéria extraída da Folha de São Paulo

Irado com a eleição de dois colegas homossexuais para coordenadores gerais do Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, um estudante do 2º ano conclamou os colegas por e-mail:

“Está na hora de unirmos forças e, veladamente, fazer o que nos couber para dar fim -pouco a pouco- nesta peste. No momento da consulta [médica oferecida pela faculdade] de uma bicha, ou recuse-se (pelos meios cabíveis em lei), ou trate-os “erroneamente’!!!”, dizia o e-mail.

O e-mail apócrifo circulou entre os alunos da faculdade, integrantes de uma comunidade fechada, à qual só se tem acesso mediante o uso de senha. Cada turma tem uma senha diferente -é por isso que se sabe que o apologista do tratamento “errôneo” para gays é do 2º ano.

Foi no dia 24 de novembro às 17h45 que a Comissão Eleitoral anunciou a vitória da Chapa 2 sobre a Chapa 1 (112 votos a 81). Dos cinco membros da chapa vitoriosa, dois são rapazes abertamente homossexuais: Igor Rabuske Araujo, 21, e Alex Vicente Spadini,19.

Já às 18h57 do mesmo dia, um estudante comentava a vitória da chapa 2: “AAAAAiiiii! Chapa 2! Agora, teremos clericot, serviço de manicure, serviço de pedicure e muuuuita purpurina.”

Logo, um estudante do 5º ano entrou na conversa. Defendeu o clericot, uma espécie de sangria (vinho, frutas e bastante gelo). “Todo mundo gosta de clericot”, escreveu para pontuar que não se trata de bebida gay.

A conversa, à qual a reportagem da Folha teve acesso, subiu de tom. O coordenador eleito Igor Araujo defendeu o direito básico “de não ser agredido gratuitamente por gente mal resolvida”.

Logo, entrou e-mail de outro aluno do 5º ano, xingando e comentando detalhes anatômicos em termos impublicáveis.

Mas foi à 1h18, madrugada do dia 25 de novembro, que se publicou o e-mail mais raivoso. “Numa falsa busca por igualdade e respeito, esses lambedores de p. alheios tentam em vão nos convencer de que é inevitável o futuro rosa, amparado pelo (…) preconceito às avessas contra aqueles que bravamente se levantam contra a ação gayzista.”

E conclamou o tratamento “errôneo” em homossexuais.

“É intolerável que, em dias atuais, universitários tenham um posicionamento tão retrógrado e ameacem colocar em risco a segurança e a saúde de homossexuais. Isso demonstra, também, que é urgente a aprovação de uma legislação federal que coíba a prática homofóbica”, afirmou Gustavo Bernardes, coordenador geral do Grupo Somos de Porto Alegre.

Os estudantes atacados avisaram a direção da faculdade. Colegas enviaram à reitoria cópia dos e-mails homofóbicos e solicitaram investigação sobre o computador de onde se originaram. Também pediram a abertura de inquérito e eventual expulsão dos agressores.

Não houve pronunciamento da hierarquia universitária até ontem. Alex e Igor dizem não ter ideia sobre qual ou quais alunos respondem pela autoria dos e-mails preconceituosos.

As hostilidades contra os dois estudantes aconteceram menos de duas semanas depois que um grupo de homossexuais foi atacado a golpes de lâmpadas fluorescentes na avenida Paulista.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: